Friday, February 13, 2009

Para que serve o QI

Em sete estudos diferentes, vários autores notam que as nossas opiniões estão relacionadas com a capacidade cognitiva. Pessoas com QI elevado terão um comportamento racional quando lhes dizem que há um problema racional, mas se não lho disserem são menos racionais ainda.
Veja o estudo aqui.

Wednesday, February 11, 2009

Manifesto da felicidade

Esta autora faz pesquisas há anos sobre o tema da felicidade. Aqui estão alguns items do Manifesto pessoal dela:
1- Para ser feliz deve considerar o sentir-se bem, sentir-se mal, e sentir certo, numa atmosfera de crescimento.
2- Uma das melhores formas de ficar feliz é fazer os outros felizes, e para fazer os outros felizes deve estar feliz.
3- Os dias são longos mas os anos curtos
4- Não é feliz se não pensar que é feliz
5- O corpo é importante
6- A felicidade são outras pessoas
7- Pense em si para esquecer-se
8- É fácil ser pesado, difícil ser leve
9- O melhor é bom, mas melhorar é melhor
10- A ordem exterior contribui para a calma interior
11- A felicidade não vem de ter mais, nem menos, mas de desejar o que tem
12- Pode escolher o que faz mas não pode escolher aquilo que gosta

Um pensamento para o dia: se pudesse reviver um dia, à escolha, qual seria?
Se pudesse definir-se por uma ou duas palavras, quais seriam? Por exemplo, para mim, "Conhecimento" e "Paixão".

Estudos sobre o génio criativo


O professor da Universidade da Califórnia Dean Simonthon estudou toda a sua carreira o génio criativo, e conclui que uma taxa de erro elevada é o ponto comum em todos estes génios. Cientistas, compositores,a rtistas, escritores, têm um maior número de fracassos porque fazem mais coisas. Não têm taxas de sucesso superiores, apenas arriscam mais. Veja o livro Origins for Genius.

Regras para trabalhar melhor

Bob Sutton publica no seu blogue, Work Matters, "As quinze coisas em que acredito". Aqui estão algumas...:
1- Às vezes a melhor gestão é nenhuma gestão - não prejudique nada!
2- A indiferença é tão importante quanto a paixão.
3- Nas empresas, pode ter influência sobre os outros ou estar livre deles, mas não pode ter os dois ao mesmo tempo.
4- Aprenda a discutir como se tivesse razão e ouvir como se estivesse errado. Poderá assim desenvolver oponiões fortes mal defendidas geralmente.

O rapto da Amígdala


Este site sobre aprendizagem emocional descreve como o Thalamus, que interpreta as visões, como a orre de controlo de um aeroporto, envia impulsos para o cortex, para processamento. O cortex "pensa" nos impulsos e retira algum sentido deles. O sinal é enviado para a amígdala onde peptides e hormonas são libertas para criar emoção e acção. 
Dan Goleman fala do Rapto da Amígdala, em caso de reacção rápida a uma ameaça. O cortex é simplesmente ignorado e o sinal vai directo para a amígdala, que apenas reage em função de padrões já existentes. isso pode salvar-nos a vida, ou levar-nos à violência. Por isso é que as forças policias treinam padrões para desmontar este mecanismo e voltar ao cortex - ainda há opções a tomar, porque as substâncias químicas dissipam-se em 3 a 6 segundos.
Técnicas de observação própria, detectando o fluxo de adrenalina a chegar, permitem evitar a concentração ou escalada de outras substâncias. Visualização, humor, contar até 10, são algumas das recomendações, porque neste estado não existem competências emocionais concretas!
Um tema apaixonante, que confirma a antiga sabedoria Zen, a do Caminho do meio. Nem muito feliz, nem muito infeliz - navega-se ali entre as duas margens, sem deixar-se aspirar por nenhuam delas, e assim se chega ao infinito. Estudos demonstram que o "efeito de catarse", em que expressar a fúria é saudável e alivia, é falso. Expressar a raiva apenas a aumenta.