Friday, October 31, 2008

Escolher processos mentais apropriados em função da tarefa não é fácil

Economic game provides fresh insights into borderline personality disorder

In the first study of its kind, psychologists have used an economic game to investigate the behaviour and brain processes of people diagnosed with a personality disorder.

Brooks King-Casas and colleagues recruited dozens of people with borderline personality disorder (BPD) to play the role of trustee in an economic game. People with this disorder tend to have unstable personal relationships and difficulty regulating their emotions. Healthy participants were recruited to play the part of investor and/or trustee.

Over several rounds, the game involved the investor choosing how much money to pass to the trustee. The investment was automatically tripled and then the trustee had to decide how much money to pass back to the investor. For maximum returns, both parties need to cooperate. If the trustee is unfair in the returns he gives back, the investor will likely reduce his investments on future rounds, meaning less profit for everyone.

The researchers found that cooperation broke down when a person with BPD played the role of trustee. They failed to recognise smaller investments as a sign that the investor was losing trust. Healthy trustees, by contrast, responded to a distrustful investor by increasing the returns they gave, thereby coaxing back the investor's trust and provoking a return to larger investments.

Brain scans taken while the participants played the role of trustee showed that healthy participants, but not participants with BPD, showed greater activity in the anterior insula as investments reduced in size (this is a brain region known to be involved in fairness, as well as sensing the body's internal states). Perhaps because of their low expectations for how others will treat them, the participants with BPD didn't appear to recognise a low investment as unfair. Consequently, they didn't attempt to restore the investor's trust, thus leading to a collapse of cooperation.

In a commentary on the study, published in the same journal issue, 
Andreas Meyer-Lindenberg welcomed this pioneering use of an economic game for the study of mental health. "The correspondence of these brain findings to current psychotherapeutic practice is remarkable," he also noted. "The most effective treatment of borderline personality disorder, dialectical behaviour therapy, is based on the assumption that patients lack skills in interpersonal regulation, and attempts to build these abilities."
_________________________________

ResearchBlogging.orgB. King-Casas, C. Sharp, L. Lomax-Bream, T. Lohrenz, P. Fonagy, P. R. Montague (2008). The Rupture and Repair of Cooperation in Borderline Personality Disorder Science, 321 (5890), 806-810 DOI: 10.1126/science.1156902

A. Meyer-Lindenberg (2008). PSYCHOLOGY: Trust Me on ThisScience, 321 (5890), 778-780 DOI: 10.1126/science.1162908


Thursday, October 30, 2008

Plásticas fazem-nos felizes por dentro

Botox makes us happy

Alex Tabarrok

It's long been known that simply smiling makes people feel better and making an angry face can make people feel more angry.  Thus some cosmetic surgeons speculated:

People with Botox may be less vulnerable to the angry emotions of other people because they themselves can’t make angry or unhappy faces as easily. And because people with Botox can’t spread bad feelings to others via their expressions, people without Botox may be happier too.

Amazingly, a recent experiment in the journal Cerebral Cortex supports this theory, although the abstract is a mouthful.  You can read a summary here.

We show that, during imitation of angry facial expressions, reduced feedback due to BTX treatment attenuates activation of the left amygdala and its functional coupling with brain stem regions implicated in autonomic manifestations of emotional states. These findings demonstrate that facial feedback modulates neural activity within central circuitries of emotion during intentional imitation of facial expressions. Given that people tend to mimic the emotional expressions of others, this could provide a potential physiological basis for the social transfer of emotion. 

Friday, October 24, 2008

regiões do cérebro envolvidas no risco

Vejam esta revista sobre neurónios. No número de Setembro fala-se das diferentes regiões do cérebro envolvidas na tomada de riscos, oq ue poderia levar economistas a construirem modelos melhores dos comportamentos de investimento das pessoas. A antecipação de uma recompensa estimula a área de risco do cérebro e aumenta a probabilidade de indivíduos passarem de um investimento conservador e avesso ao risco para um comportamento de investimento de risco. Esta descoberta é também importante para as estratégias de marketing usadas pelas companhias de seguro.

Tuesday, October 7, 2008

Autores mais bem pagos

Vejam o link em:
TOP 10 BEST-PAID AUTHORS
1. JK Rowling - $300m (£170m)
2. James Patterson - $50m (£28m)
3. Stephen King - $45m (£25m)
4. Tom Clancy - $35m (£20m)
5. Danielle Steel - $30m (£17m)
6. John Grisham - $25m (£14m)
6. Dean Koontz - $25m (£14m)
8. Ken Follett - $20m (£11m)
9. Janet Evanovich - $17m (£10m)
10. Nicholas Sparks - $16m (£9m)
Source: Forbes magazine

http://news.bbc.co.uk/2/hi/entertainment/7649962.stm
JK Rowling
JK Rowling has sold more than 400 million copies of her books worldwide

JK Rowling is the world's highest-earning author, making more than £5 every second over the past year, US business magazine Forbes has announced.

The Harry Potter writer, who made a total of $300m (£170m) last year, wrote the first of her best-selling books about the boy wizard in 1997.

Her income was six times more than literature's next-biggest earner, James Patterson, of Along Came A Spider fame.

The magazine described her work as "a children's literary sensation".

Potter franchise

A Forbes spokesman said: "It was wizardry that transformed JK Rowling from a destitute single mother on welfare into a best-selling billionaire.

Friday, October 3, 2008

Tao e gestão de empresas

Taoists act with their sages intuitive, spontaneous and harmonized with their environment. Lao-tsu taught us that, if we match perfectly with the nature through "non-action" , there would be nothing impossible to accomplish. Viewing Tao as a continuous reaction between the two opposite energies, they tended to be optimistic in adversity and be prudent in prosperity. To carry out something, they begin with the opposite: " Expand before contraction, enforce to weaken, exalt to eliminate, give to take, etc." If you want to push something forward, there would be always a lot of hurdles. All the reactions would try to prevent you from realizing your objectives. If you pull it instead, there would be the opposite reactions. The power is usually shorter-term but even stronger. When the power gets ready to launch by itself, all you have to do is just let it go. It will go alone in your direction, and you will see your objective accomplished. If it is hard to understand, imagine "archery". To let an arrow to go forward in the right direction, you pull it instead of throwing it. Don' t pull too strong nor too weak. Release it when your influence disappears. 
Yeah! That' s it. It' s the spirit of non-action.

Non-action as well as making a detour for access are the key principles in any aspects of Japanese culture, arts, Aikido, Judo, Karate, and management.


Fonte: www.insurance-finance.com/cogito1.htm

Redistribuir o capital em função dos votos

Sergio Lub (Thinking Outside the Box): Monetizing social capital


Monetizing social capital

My Concern
Quite often good people are broke while crooks live in affluence. How to improve the system so we grant credit according to a person's standing within the community

My Solution
To grant credit proportional to the number of positive referrals received. Thus, the most appreciated members of a community will have the most resources to work with.
A prototype exists and has been tested with Favors.org community and its ThankYou's system.

Boom Festival a reciclar as águas

Water Treatment in Full Swing On Site

All water from the showers is being recycled. Through our water treatment systems we managed to evaporate 200,000 liters of water from the showers. Now we have 1,200,000 liters of water waiting in a lake for further treatment based on aquatic plants as you can see in the photo. The plants are azolla sp, eichordia sp, lemna sp, typha sp, phragmites sp, juncos sp and cyperus sp. The water will be monitored by a local laboratory and within some months when clean, will be return to the source. This is Booms contribution for a new awareness of water recycling.


Thursday, October 2, 2008

Despertar uma nova consciência na humanidade: entrevista ao criador do Boom

Diogo Ruivo, 35 anos, visionário, formado em engenharia, é o fundador da Good Mood que lançou e produziu o conceito Boom.

 

Como se envolveu na organização de festivais como o Boom? De onde 

vem a sua vertente mais ecológica?

 

Diogo Ruivo - Penso que todos os momentos de maior visibilidade que um grupo de seres humanos obtém durante a sua vida tem sempre, na sua origem, um ponto de partida simples e orgânico.

O meu envolvimento com o mundo das artes e filosofias alternativas formou-se ainda enquanto criança. Tive o privilégio de uma educação baseada na experiência e com forte componente de criatividade, que me levaram, em adulto, a envolver-me sempre com projectos culturais, artísticos e inovadores.

Durante toda a minha infância e adolescência viajei extensivamente pelo mundo, o que me trouxe uma paixão pela diversidade e beleza ímpar deste planeta onde habitamos. O contacto com diversas culturas e o convívio constante com a natureza fizeram com que a minha percepção fosse sempre aguçada.

Com o decorrer do tempo, apercebi-me do “impacto” do ser humano. E daí nasceu a necessidade de tomar uma posição relativa às alterações que infligimos ao meio ambiente, e por conseguinte passar a informar os que me rodeiam das necessidades ecológicas básicas.

 

Como pensou na estrutura do Festival, organização, participantes para palestras, etc?

 

O nosso mote é a avaliação e readaptação para uma constante evolução. Tentamos atingir a excelência através de métodos mais sociais e sustentáveis, que nasçam de um novo conceito de entretenimento. Para nós não se trata apenas um meio hedonista, deve fornecer soluções às pessoas.

Como pesquisadores de soluções para o futuro da Humanidade através das propostas do festival - nomeadamente no desenvolvimento de projectos ao nível de saneamento de águas e energia - temos tido sempre o privilégio de estarmos em contacto com alguns dos visionários mais activistas de diferentes sectores, como por exemplo o Ecocentro IPEC do Brasil. As nossas escolhas são o resultado de muita investigação e diálogo com pessoas dotadas de uma visão singular em diversas áreas, desde o design para a sustentabilidade até técnicas e filosofias para relacionamento em grupos humanos, passando por economia verde, enteogéneos, ciências sociais e arte visionária.

 

 

Qual foi o balanço do Boom anterior em termos de festival auto-

sustentado?

 

A edição de 2006 do Boom Festival foi sem sombra de dúvida a de maior sucesso até à data. Pela primeira vez, conseguimos atingir o objectivo de criar um impacto positivo com um evento. Acreditamos que minimizar impactos ambientais é coisa do passado, hoje as acções ecológicas devem influir positivamente no ambiente. Por outro lado, conseguimos manter a nossa política económica e visão de evento de larga escala, totalmente independente do mercado de patrocinadores, que não se encaixam na nossa ética ecológica e social.

Do ponto de vista de infraestruturas, podemos focar três grandes pontos: água, energia e resíduos. Para o primeiro, preocupamo-nos em estudar os ciclos locais de água e desenvolvemos um método sinergético de fechar o ciclo de uso de água do próprio evento. Através de técnicas orgânico-biológicas - como a evapo-transpiração e bio-remedição em lagoas por nós criadas, conseguimos reciclar e fechar todos os ciclos de água iniciados com o Boom. Tornamo-nos assim no primeiro evento de larga escala que recicla todas as águas que consome, nomeadamente nos chuveiros.

Na energia, iniciamos um estudo de dois anos do consumo efectivo do evento que irá culminar com a redução e adopção de diversos sistemas energéticos sustentáveis em 2008. A nossa visão é chegarmos a 2010 com o Boom festival totalmente sustentável a nível energético. Em 2006, focámos o uso de energia sustentável em sistemas fotovoltaicos – tendo os escritórios e cozinha dos trabalhadores sido electricamente alimentados durante 4 meses unicamente a partir do Sol, por exemplo, bem como duas das sete áreas culturais do evento.

 

E nos resíduos e esgotos?

 

Foi também em 2006 que a gestão de resíduos passou a abranger o contacto, informação e educação ecológica do público – formámos assim equipas especializadas em consciência ecológica a que demos o nome de Ecoteam.

A Ecoteam, conjuntamente com os serviços municipalizados e outras equipas contratadas, conseguiram manter todo o recinto impecavelmente limpo durante toda a semana do evento, e em simultâneo procederam à reciclagem de quase 30% de todos os resíduos produzidos antes, durante e após o evento. Por outro lado, cerca de 60% da matéria orgânica produzida no evento foi compostada, estando o solo proveniente desta compostagem guardado para fertilizar os jardins do Boom festival 2008.

 Iniciámos também o estudo e aplicação de sanitários secos compostáveis. Tendo os resultados deste teste piloto superado em muito as nossas expectativas. Conseguimos uma aceitação total por parte dos participantes do evento que elegeram os ditos sanitários como os melhores já usados, bem como tendo conseguido diminuir drasticamente o esforço extra para as ETARs locais e, por conseguinte, o meio ambiente circundante.

A matéria orgânica resultante destes sanitários foi posteriormente compostada e em seguida processada por minhocário. No final, obtivemos Húmus do mais alto valor mineral. Assim conseguimos mais uma vez fechar um ciclo naturalmente e com responsabilidade ecológica. Evitámos impactos naturais e ainda gerámos fertilizantes e húmus.

 

Que outras iniciativas tornam este festival único na sua vertente 

ecológica?

 

Conseguimos há já algum tempo desmistificar o conceito de que ter éticas e atitudes sustentáveis significa um esforço económico desmesurado. Pelo contrario, há um ganho incalculável no futuro.

Em termos práticos, temos fomentado toda a montagem e construção do evento com métodos, matérias e técnicas sustentáveis. Procuramos sempre criar uma ética de trabalho socialmente equilibrada. Apoiamos entidades e pessoas que ainda detenham sabedoria arquétipa de construção e design de estruturas sustentáveis - como por exemplo a contratação de arquitectos de Bali em 2006 para construírem com bambú.

Simultaneamente, temo-nos tornado também num ponto difusor destas sabedorias e soluções. Iniciamos, em parceria com o Ecocentro IPEC do Brasil, uma série de formações e consultorias nas áreas de Permacultura, bioconstrução e bioengenharia, cursos estes que serão lecionados inclusive durante a construção do próximo Boom.

 

 

Boom Festival: um exemplo de nova economia

Os criadores do Boom, um festival de electrónica nacional, decidiram ter um evento auto-sustentado, ecológico e inovador para criar impacto num novo paradigma da consciência. Veja as lições a retirar desta mega organização


A pacata cidade de Idanha-a-Nova está agitada, apesar do calor de Agosto. Nos multibancos e cafés, bandos de extraterrestres, com cabelos em corda (deadlocks), corpos pintados e tatuados, aguardam pacificamente. Contrariamente a outros festivais do país, não há garrafas espalhadas e lixo por todo o lado. A poucos quilómetros, perto da barragem, decorre o Boom Festival, um evento de cultura independente. “Boom is a no-corporate logo area”, anunciam as primeiras páginas do livro lançado este ano para comemorar os 10 anos do festival. Não há patrocínios nem empresas, e no entanto uma politica de voluntariado e organização, bem como o aproveitamento de novas técnicas de reciclagem e geração de energia são um case-study para o mundo empresarial mais ambicioso.

No início de 2008, por exemplo, começou a recolha de óleo vegetal usado domestico a utilizar como combustível nos geradores do festival de Agosto deste ano. O projecto “O Seu Óleo é Música” significa que a energia para manter uma semana de festival num local completamente isolado virá desta reciclagem, para além de energia solar. “Iniciamos a recolha de óleos vegetais usados nos cerca de 5800 domicílios de todo o concelho para posterior processamento e filtragem. Este projecto assenta numa perspectiva de intervenção comunitária  - tanto dos efeitos nocivos dos óleos usados como suas possíveis soluções sustentáveis - passando pela diminuição da carga de geração de carbono durante o Boom Festival 2008. Pretendemos que todas as áreas de grande consumo eléctrico do evento sejam providenciadas por geradores que irão consumir óleo vegetal usado da própria região.  A nossa visão é mais uma vez criar uma economia positiva a nível de créditos de carbono, juntando sempre o factor educacional no pacote total de acção”, explica Diogo Ruivo, produtor do evento.


As casas de banho são compostáveis, os esgotos tratados. A Câmara de Idanha agradece, e já em 2006 recebeu adubo orgânico gerado pelo festival. O evento, dedicado à musica electrónica e o despertar de uma nova consciência planetária, desenvolve projectos pioneiros na área da sustentabilidade ambiental. Conferências durante o dia sobre permacultura, calendário maya, shamanismo, yoga, massagens, tendas de dança, espaços para “estados alterados de consciência” e muito mais transformam o que poderia ser um acontecimento explosivo num manifesto de cultura alternativa pela paz e pela reunião das diversos tribos de inovadores espelhadas pelo planeta.

Visualmente, o festival é uma inspiração que traz os maiores inovadores da arquitectura, design e artes em geral para o palco. Estruturas de bambu que vieram da Indonésia, tendas circulares geodésicas (esfera dividida em triângulos), explorações criativas do mundo inteiro e outros colocam este evento português no topo dos mais procurados do mundo, a par do Burning Man (Estados Unidos) e Fusion (Alemanha).

“Eventos como o Boom tem um potencial de transformação enorme. A reunião de milhares de pessoas por um tempo limitado é uma oportunidade de reflexão sobre aspectos comunitários: como nos relacionamos, como ocupamos o espaço e o que deixamos, qual a nossa função ecológica e como satisfazer as necessidades de sobrevivência num equilíbrio com outras espécies?”, explica André Soares, 42 anos, engenheiro de ambiente, especialista em permacultura que criou aldeias, estudou na Austrália e trabalhou largos anos nos Estados Unidos. É o responsável pela sustentabilidade do festival ou o “entretenimento sustentável”, e pelas infraestruturas de choque a instalar nestes eventos, porque estes grupos poluem tanto como cidades, pela sua densidade. “O Boom Festival gera 12 toneladas por dia de excrementos humanos, e estes resíduos podem ser devolvidos ao solo de forma segura, com tecnologias simples e eficazes”, explica Soares, também consultor do MIT, ONU e Banco do Brasil. A idéia é que as pessoas façam uma viagem, para Idanha-a-Nova, em que restauram o seu equilíbrio com a natureza.

Um festival em que as pessoas se divertem é também uma oportunidade de formação. Quando uma casa de banho normal é usada, 20 litros de água potável são escoados. Na versão compostável, seca, os resíduos, tapados com serradura, caem para uma câmara onde um processo biológico elimina micro organismos. Este composto é depois levado para camas de minhocas, que digerem o produto e o transformam em húmus – cinco metros cúbicos por ciclo. Todas as águas usadas no festival, em duches e cozinhas, passa por jardins húmidos, onde se evapora num leito de plantas aquáticas que removem minerais. Essas plantas podem mais tarde ser usadas como fertilizantes. A água que resta fica em charcas, com micro organismos que continuam os ciclos biológicos de digestão do excesso de sabonete e outros químicos. Depois de algum tempo, cria-se um ecosistema de plantas e animais, e a água pode ser usada para regas.


O que surpreende num evento desta dimensão é o facto de não haver papeis e lixo. As pessoas decalcam-se para entrar nas tendas de dança, cobertas de tapetes. Um Eco Team de 200 pessoas limpa constantemente o local. Muitos são voluntários que aparecem na reunião da manhã, e trabalham a troco de refeições grátis (vegetarianas por sinal, com profusão de sumos e batidos verdes) – é lhes-dado um prato especial que conservam (feito de barbas de milho e reutilizável, na medida do possível).

Finalmente, o Liminal Village, área do festival onde as conferências tem lugar durante o dia, com projecções de filmes também, é o local onde se podem descobrir contactos com os especialistas mais avançados na arquitectura ecológica, permacultura, aquacultura, sistemas biológicos que podem ser replicados no mundo urbano e estruturas de gestão de pessoas – com custos reduzidos. As lições do Boom aplicam-se num contexto visionário, e podem ser uma boa plataforma para futuras empresas de sucesso na inovação.

 


 

Wednesday, October 1, 2008

Drazen Prelec

As multidões acertam melhor nas previsões

 

Um especialista do MIT em neuroeconomia foi ao Iese falar das melhores fontes para prever decisões do público. Drazen Prelec, cientista na fronteira da economia e psicologia, revela surpresas sobre o comportamento dos mercados.

 

Entrevista adaptada por Géraldine Correia

 

 

É possível que os inquéritos na Internet, que recorrem à sabedoria das multidões, substituam as decisões de comissões e gestores isolados, considera Drazen Prelec, Professor de Ciência da Gestão no MIT. Este professor revelou novas técnicas no FUR XIII (The Foundations and Applications of Risk, Utility and Decision Theory). Explicou entre outros como funciona o seu “soro da verdade”, um método com perguntas por pares, específicas, que permitem obter respostas honestas das pessoas sobre questões difíceis de verificar (veja caixa). Empresas como a Hewlett Packard e Google já usam mercados de previsão internos, ou seja recorrem a uma espécie de audiência para testar os resultados mais prováveis. Estas audiências apostam em níveis de vendas para novos produtos, ou questões sobre se um lançamento será feito atempadamente ou não.  “O sistema permite recorrer às próprias previsões das pessoas, mas também às previsões das previsões de outras pessoas...”, diz Prelec.

Assim, a Web vai liderar nos sistemas de voto ou pontuação alternativos, que começarão a substituir reuniões informais. “A Internet permite acumular rapidamente e avaliar as previsões e opiniões de pessoas, tanto nas empresas como fora delas. Estes mecanismos podem corrigir juízos... supostamente superiores, mais objectivos, do que aquilo que uma comissão ou um gestor podem produzir”, salienta.

 

Cartões de crédito anestesiam o cérebro

 

Drelec tem revelado alguns processos neurológicos que podem alterar a forma como vemos os mercados. Num estudo recente no MIT, provou que as pessoas pagam mais quando lhes pedem para usar o cartão de crédito do que quando lhes pedem dinheiro. O estudo mostra mesmo que as pessoas estão dispostas a pagar mais 100% com o cartão de plástico.

Quando compramos algo com dinheiro, a compra envolve uma perda real – o nosso porta-moedas fica mais leve. Os cartões de crédito tornam a transacção abstrata, para que não se sinta este efeito de gastar dinheiro. O cartão tira partido de algumas falhas cerebrais. Experiências com imagens do cérebro mostram que o pagamento com cartão reduz a actividade na insula, uma área do cérebro associada a sentimentos negativos. É como se o cérebro ficasse anestesiado face à dor do pagamento.

Drazen Prelec e um colega, Duncan Simester, organizaram em evento real para ter um leilão privado de bilhetes para um jogo dos Celtics de Boston. Metade dos participantes no leilão foram informados de que teriam de pagar em dinheiro, a outra metade com cartao de crédito. As licitações feitas pelos que pagavam com cartão foram duas vezes mais elevadas do que as licitações médias do grupo de pagamento em dinheiro. As pessoas com Visa ou Mastercard não conseguiram conter o desejo e gastaram muito mais do que tinham. O paper dos dois professores do MIT ficou com o título, “Always leave home without it”, Saia sempre de casa sem ele – o cartão).

Outras pesquisas mostraram que existem mecanismos neuropsicológicos específicos que estão ligados ao sentimento de perda potencial das nossas posses. As pessoas tendem a preferir os produtos que têm face aos mesmos produtos que não têm. Este efeito contradiz a teoria da escolha racional, que indica que a propriedade de algo não influencia as preferências do indivíduo.

 

Dói perder algo que possuímos

 

Um exemplo clássico do efeito (Endowment Effect) identificado por Prelec é o mercado imobiliário. As pessoas tendem a valorizar as suas casas mais do que seria justificado por aquilo que o mercado paga (geralmente 12% acima do preço de mercado). Quando há uma crise, as pessoas tentam vender a casa por uma média de 33% mais do que o valor de mercado. As pessoas agarram-se ao que têm e pedem um preço mais elevado por isso. Num leilão, também tememos perder algo que vamos obter, e perseguimo-lo com preços mais altos.

Prelec e outros estudaram três regiões do cérebro de pessoas a quem se pediu para comprar certos produtos e vender outros, dados antes da experiência, e escolher entre outros produtos e dinheiro. As três áreas do cérebro estão associadas respectivamente à previsão de ganhos monetários e preferência por produtos, previsão de perdas monetárias e actualização de previsões iniciais de lucros monetários. Em resumo, a experiência mostra que o facto de possuir aumenta o valor do produto, sublinhando a perda possível do produto preferido. Existe um mecanismo de aversão à perda de posses durante a venda. Por isso, os métodos da neurociência podem fazer avançar a teoria económica, questionando temas como o da escolha e dividindo-os em componentes específicas, como a antecipação de perda ou ganho, indicando também quando cada uma destas componentes entra em jogo.

É importante salientar que há diferenças individuais na intensidade deste efeito Endowment. A activação em todas as pessoas da região da insula previu o valor que atribuíam por um produto, mas cada indivíduo mostrou uma maior ou menor sensibilidade, podendo até mudar com o tempo e acontecimentos recentes da sua vida. A área da insula é activada quando alguém tem medo de perder algo, e isso cria uma dor imaginária. A ideia de desistir de um produto é dolorosa, e atribuímos-lhe um valor mais alto. Daí o fenómeno dos investidores que não desistem de acções em queda, sobretudo as que têm uma história de sucesso por detrás – é-lhes doloroso.

 

O soro da verdade

 

No que respeita ao “soro da verdade” de Prelec, que o denominou Bayesian truth serum, a intenção é encorajar as pessoas a darem opiniões honestas. Por exemplo, primeiro pergunta-se a alguém, “Vai votar nas próximas eleições presidenciais?”, ou “Teve mais de 20 parceiros sexuais no último ano?” Depois pede-se ao inquirido para avaliar quantas outras pessoas responderiam da mesma forma. Prelec explica que., se as pessoas têm mesmo uma certa opinião, tendem a dar estimativas mais altas sobre a probabilidade de outras pessoas também terem essa opinião. Assim, se a pessoa teve mais de 20 parceiros sexuais recentes, mas mentiu, essa pessoa vai pressupor provavelmente uma taxa mais elevada de pessoas com mais de 20 parceiros do que alguém que não teve tantos parceiros.

Prelec descreve uma situação em que duas pinturas são vistas por um grupo de dez pessoas, a quem se pergunta depois, em privado, para escolherem o seu quadro favorito. Sete pessoas dizem que preferem a pintura A, três a B. Se, na segunda pergunta, as dez pessoas dizem que pensam que toda a gente preferiu o quadro A, então é porque as três pessoas que escolheram o B serão a aposta mais segura face ao facto de terem dito a verdade. Porquê? Isto porque, diz Prelec, apesar de terem pensado que o A seria mais popular, mesmo assim escolheram o outro quadro.

Ou seja, pensar que os outros vão estar em desacordo é uma forma de ver se as pessoas estão a dizer a verdade. A fórmula funciona melhor em grupos de dez ou mais pessoas. Conseguir respostas verdadeiras de pessoas com afirmações subjectivas é crucial em inquéritos e análises para determinar politicas governamentais e financeiras. O método resume-se em fazer as perguntas aos pares e analisar a relação entre as respostas. É a percepção daquilo que poderá ser a resposta dos outros que dá pistas sobre a verdade ou não da resposta da própria pessoa.

“Geralmente pensamos na nossa opinião como algo que mais ninguém sabe. Mas os nossos juízos estão relacionados com os dos outros”, refere. Este método é particularmente eficaz para identificar opiniões que contradizem a sabedoria convencional. Prelec acredita que as pessoas gostam de dar pontuações altas, e ficam assim motivadas para dizer a verdade.

 

Internet para previsões certeiras

 

Finalmente, no que respeita às aplicações práticas desta espécie de sabedoria das multidões, Prelec e uma equipa da Sloan criaram uma ferramenta com base na Web. Trata-se do Virtual Customer Initiative, VCI, que inclui cálculos complexos, capacidades multimédia e interactividade na Web para obter com precisão feedback de clientes. Está disponível online e é grátis. Um produto que saiu desta ferramenta e igualmente promissor é o Intelligent Advice Module (IAM, Módulo para consultas inteligente). É um aparelho que cabe numa mão, com internet sem fios, em que os utilizadores podem programar preferências de compra pessoais para tomarem decisões de compra mais informadas.

O VCI ajuda as empresas a determinar o que os clientes desejam de forma mais rápida e precisa do que as ferramentas tradicionais de pesquisas de mercado – um projecto de estudo de mercado que demora seis semanas custa muito caro. Existem seis métodos baseados na Web para apontar as preferências de consumidores: características desejadas, leque de preços, design, etc. Através da interacção, surgem produtos vencedores. O VCI foi testado em oito novos modelos de veículos, e os que foram apontados como fracassos acabaram por sê-lo. Os especialistas criaram seis ou sete perguntas para obter os resultados, obtidos geralmente com mais de 30 perguntas.

Outro exemplo: a câmara fotográfica Polaroid I-Zone descobriu que os compradores gostariam de pode mudar as capas do aparelho, algo que a equipa de desenvolvimento não tinha previsto. O I-Zone foi modificado e é um caso de sucesso.

O próximo aparelho baseado nestas teorias de Prelec e outros colegas é o IAM, que associa as escolhas de produto anteriores de um indivíduo com preferências actuais e outros dados, para produzir uma decisão que corresponde às prioridades do utilizador. O potencial do IAM funciona, por exemplo, no busca de uma casa. Introduzem-se as características pretendidas – próximo do trabalho, escolas boas, etc. – e uma análise estabelece prioridades. No final pode-se revelar que ter uma casa com terreno afinal não é importante. A tecnologia torna as pesquisas mais eficazes de coisas para comprar e fazer.

 

 

Caixa

Um economista na ciência cognitiva

 

 

As pesquisas de Drazen Prelec, Ph.D. da Sloan School of Management no MIT, estão relacionadas com a psicologia e neurociência da tomada de decisões (economia comportamental e neuroeconomia; escolhas de risco, factor rempo, auto-controlo, comportamento de consumidores). Trabalha em simultâneo no desenvolvimento da teoria das decisões normativas e na exploração dos fracassos empíricos dessa teoria, com base noutras técnicas.

Um projecto recente sobre self-signaling, sinais próprios, procura perceber o estranho poder da motivação não-causal – quando os indivíduos preferem acções que são diagnósticos de resultados positivos, mesmo que essas acções tenham pouca ou nenhuma força causal. A motivação do diagnóstico é real, e provavelmente essencial para o auto-controlo humano. Os seus mecanismos cognitivos e neurológicos não são bem percebidos, todavia.

Outro projecto, do soro da verdade, lida com sistemas de pontuação para avaliar juízos individuais e colectivos em áreas de conhecimento em que não existe um critério de verdade exterior. Por exemplo, previsões de longo prazo, influências politicas ou históricas, interpretações jurídicas ou artísticas. Criou sistemas de pontuação que premeiam juízos honestos, e que podem identificar a verdade mesmo quando a opinião da maioria está errada.

Neuroeconomia

Budha CEO:

Práticas de Meditação para Empresas de Sucesso

(Publicação em 2008 pela Editorial Notícias)

 

Dedicado ao meu pai, um aventureiro, e à minha mãe, uma apaixonada. Este livro é uma espécie de progressão do cérebro esquerdo para o direito. É apenas o nosso mental que faz essa distinção, essa polaridade, mas a verdade é que precisamos dos dois: é onde está todo o poder. Agradeço a ambos pelo seu apoio, e guardo-os para sempre no meu coração. “Encostada à minha mãe, e a meu pai lá no astral, para sempre eu quero estar”.

 

 

Introdução

 

A alma da empresa

 

A vida não é um negócio a gerir, mas um mistério a viver

Osho

 

 

A espiritualidade já foi um tabu no local de trabalho, mas acontecimentos como o 11 de Setembro forçaram líderes e povos do mundo inteiro a repensarem a integração de práticas espirituais nas suas actividades diárias. A globalização a isso obriga: contactos com novas culturas obrigaram as empresas a tratar os seus empregados de forma holística, com os seus valores e crenças pessoais.

Das secretárias aos CEO, muitos empregados de empresas querem hoje levar o seu corpo, mente e espírito, com a manutenção que exigem - de simples práticas espirituais, à meditação ou yoga -, para o local de trabalho. Mais do que oferecer um ginásio, como se tornou prática nos benefícios para Recursos Humanos na listagem das Melhores Empresas para Trabalhar, as organizações devem agora oferecer um terreno fértil para o desenvolvimento pessoal como um todo. Ou seja, transformar o fitness corporal em fitness emocional. As pessoas querem crescer no seu local de trabalho, evoluir, e não apenas envelhecer, cumprir ou receber uma mera retribuição monetária pelo seu contributo, de corpo e alma. Chegou a altura das empresas entregarem, também, a sua alma.

O enfoque no empregado é uma viragem a nível mundial. A Ernst and Young, por exemplo, começou, nos EUA, a implementar um programa de integração da vida e do trabalho em 1997, depois de perder milhares de dólares devido a taxas de rotação de empregados elevadas na sua população feminina.

Ainda assim, permanece uma falsa polaridade entre a empresa e os seus produtos por um lado, e as pessoas que ali trabalham, por outro. Mas uma abordagem espiritual das empresas implica ver o emprego como uma oportunidade para crescer individualmente, e não apenas para envelhecer. Daí todas as novas correntes de gestão, como a Gestão por Valores, com um sucesso crescente junto da força de trabalho, e também nos lucros.

Fala-se também, actualmente, em física quântica e em saltos quânticos – são alturas em que se passa de uma etapa da evolução para outra, em pouco tempo, sem transição, e é bem possível, nesses termos, que estejamos no limiar passar do capitalismo para uma economia espiritual. O objectivo desta economia seria maximizar os lucros não apenas num produto material, mas também em termos de output de energia vital, um output mais focado em significados mentais e supra-mentais.

Estamos no começo, e isso é visível no estímulo da criatividade, preocupações ecológicas e éticas no local de trabalho. O movimento está a alargar-se progressivamente para uma criatividade interior, individual.

Estimular a criatividade interior, com uma transformação de emoções negativas em positivas, permite aceder à alma do empregado, criar felicidade, vitalidade e significado nas empresas. A verdade é que pessoas felizes produzem melhores produtos, ou seja, fomenta-se também a criatividade exterior. É do plano mais subtil e interior que se melhora uma produtividade material e lucros exteriores.

 

A Terra é um organismo vivo

 

“A Nova Economia vai ter fome”, anunciava recentemente Lester Brown, um dos grandes defensores mundiais do planeta, que produz, no seu Earth Policy Institute, relatórios e estudos independentes sobre o nível dos oceanos, evolução de colheitas e outros indicadores. “Estamos a passar cheques sem cobertura. E não há provisões”, diz Brown. A economia não pode sobreviver a um esgotamento dos recursos do planeta, e passámos para o estado de emergência superior.

Brown explica que existem muitos exemplos, na história, de civilizações que desapareceram: os Sumérios, porque o seu sistema de irrigação não funcionava e inundou de sal as terras cultivadas; os Maias, com a desflorestação e erosão dos solos; os habitantes da Ilha de Páscoa, que não podiam fabricar mais barcos de pesca depois de terem cortado todas as árvores.

Daqui a 20 anos, no máximo, se os comportamentos não mudarem, não sobreviveremos à destruição do nosso ecosistema. Basta ver os números. Desde os anos 1950, a população mundial passou de 2,5 para 6 mil milhões de habitantes e a riqueza média do terráqueo foi multiplicada por sete. Ao mesmo tempo, os recursos naturais entraram na sua fase final de esgotamento: as descobertas petrolíferas de 2004 foram de um quarto do consumo mundial. Florestas dizimadas, desertos em expansão, stocks de pesca em  baixa... Brown defende que se deve criar um orçamento de restauração do planeta – para reflorestar, restaurar a pesca, proteger a diversidade biológica e aumentar a produtividade da água para estabilizar as reservas e restaurar o fluxo dos rios. São medidas a adoptar à escala planetária.

A verdade é que o nosso recurso mais escasso para sustentar o progresso económico é o tempo. Com as mudanças climáticas, estamos próximos de um ponto de não retorno. Seria tentador reiniciar o contador, mas não podemos fazê-lo: a natureza é o nosso cronómetro. Estamos num momento decisivo. Tal como outras civilizações no passado, podemos decidir continuar os negócios como habitualmente e assistir ao declínio da economia e ao seu colapso, ou passar para um Plano B, a construção de uma economia para sustentar o progresso económico.

Esta será a decisão da nossa geração, sem dúvida. E vai afectar a vida na Terra de todas as gerações a seguir. Urge por isso libertar a criatividade de todos e tentar provocar um salto quântico na nossa realidade. Neste campo, as empresas estão bem posicionadas para se tornarem agentes de mudança. Algumas, de facto, estão a insuflar princípios éticos, de responsabilidade social e dão prioridade à libertação do potencial de criatividade dos seus empregados.

“Não quero viver uma vida com a ilusão de estar a mudar algo, quando sei que a cada cinco segundos morre uma criança”. A frase é de Tex Gunning, presidente da Bestfoods Ásia. A missão que escolheu na região foi a resposta a necessidades nutricionais das crianças. “Um líder médio toma conta de si e da família. O bom líder toma conta de si, da família e da comunidade”, refere Gunning. O ideal, então, é sermos todos como voluntários – voluntários pagos numa organização de serviços à comunidade. “Neste cenário, precisaríamos de metade das politicas, formação e valores declarados geralmente presentes nas empresas, porque as pessoas viveriam os seus valores mais profundos em todas as áreas da sua vida”, salienta.

Cada vez mais se aceita que todos fazemos parte de um todo: o planeta é um organismo vivo, que respira – ou não. Da mesma forma, a empresa tem um papel na sociedade e não pode produzir as sementes da sua destruição.

Muitas empresas começaram pela sustentabilidade ecológica, e a próxima etapa é uma consciência do movimento de evolução da consciência. Esse movimento é simbolizado pela passagem do material para o imaterial como prioridade. No entanto, mais do que filosofar, é importante descrever meios para chegar à transição para uma nova economia do significado, e apresentar ferramentas que levem o indivíduo ao seu interior.

Existem várias formas de meditação, da mais yin, ou interior e individual, à mais yang, ou social – em que a interacção é uma componente fundamental da técnica.

Uma das grandes correntes de meditação activa, a de Osho, escolheu trabalhar terapias yang. O guru             que deu o nome aos centros como o Osho Institute of Self Management já faleceu. Os seus seguidores não usam a empresa como ponto de partida, e começam pelo indivíduo. Está provado que uma força de trabalho física, emocional e mentalmente optimizada resulta numa empresa saudável, e sobretudo consciente. Sem querer discutir a técnica em si, desenvolvida em capítulos seguintes, basta saber que as lições aprendidas pelo indivíduo no trabalho têm impacto sobre todos os outros aspectos da sua vida.

Muitos participantes nos programas de Osho para empresas, por exemplo, podem tomar consciência de que “tendem a ter comportamentos mecânicos e automáticos, e não intencionais e conscientes”. Não agem, reagem perante os problemas, o que significa o mesmo do que ter uma criatividade nula.

Assim, aprender a estar presente é extremamente importante. Descobre-se como estar receptivo ao que acontece em si e à sua volta. Desenvolve-se mais o respeito pelo próprio e pelos outros, o ouvir-se a si próprio e aos outros, e isso repercute-se em relacionamentos mais harmoniosos, com efeitos no trabalho de equipa e impulso na criatividade, clareza e resolução de problemas, capacidade de resposta e não de reacção e domínio emocional. Melhora-se a auto-estima, a saúde, e diminui-se o stress.

Técnicas como a meditação permitem ter empregados vivos e presentes, e não perdidos num sonho existencial sobre o passado angustiante e o medo do futuro. Na perspectiva da empresa, que paga pela “presença” do indivíduo durante as horas de trabalho, ter apenas o “corpo” presente no local de trabalho não chega. Os lucros e sucesso podem ser indicadores ideais de como as pessoas conseguem trabalhar juntas. A empresa consciente pode ser uma realidade, funcionando preferencialmente como organismo, em vez de uma organização, uma mais no panorama empresarial. Na Índia, empresas como o grupo Godrej, a Tata Technologies, executivos do Times of Índia e a força policial de Pune ganharam com a implementação de seminários de Osho nas práticas diárias dos seus negócios ou actividades.

 

Efeitos fisiológicos da meditação que já se fazem sentir

 

Nicholas Hall, cientista na Universidade da Florida do Sul, estabeleceu uma ligação entre a saúde e expressão emocional. Pesquisadores concluíram que o sistema imunológico dos actores é melhorado, em resultado directo da sua vontade de expressar sentimentos como a raiva, angústia etc. Annette Stanton da Universidade do Kansas descobriu que meditações activas de Osho durante três meses, com um processamento activo de emoções de todo o tipo estava associado a maior vigor, menos consultas médicas para doenças relacionadas com cancro. David Spiegel do Stanford Medical Center descobriu que os efeitos a longo prazo da expressão emocional nas mulheres com cancros da mama com metástases mostraram que a vontade de enfrentar, expressar experimentar e ventilar sentimentos duplicavam o tempo de sobrevivência de mulheres seriamente doentes.

Ainda assim, permanece uma falsa polaridade entre a empresa e os seus produtos por um lado, e as pessoas que ali trabalham, por outro. “Ensinaram-me uma coisa: a espiritualidade e os negócios não se misturam. As pessoas querem soluções para problemas de gestão, e não problemas espirituais”. Assim falava o instrutor de David Miller, na IBM, em 1979. Miller, autor de God at Work, The History and Promise of the Faith at Work Movement, é hoje director do centro da Universidade de Yale para a Fé e Cultura, e professor de ética empresarial. Trabalhou 16 anos em empresas internacionais como executivo sénior, e conhece as duas faces da moeda.

As universidades integram cada vez mais opções de gestão da diversidade nos seus cursos, convidam Deepak Chopra para falar da alma do líder ou promovem a prática de técnicas de auto-desenvolvimento. “Como executivo sénior do sector financeiro, em Londres, a dada altura perguntei-me qual era o sentido da minha vida e do meu trabalho. Passava ali muitas horas todos os dias, e gastava a minha energia criativa toda no trabalho. Achava que deveria receber mais do que um salário bom, ou que as coisas deveriam ter outro significado. Pensar de forma teológica sobre esse assunto e outros tornou-se um factor de integração importante para mim”, explica Miller.

O seu livro estuda o movimento FAW (Faith at work), na América empresarial, mas pode ser extrapolado para outras regiões do mundo. Muitos factores lideram a mudança. Por vezes são os próprios empregados que o pedem, outras vezes surge no contexto de outras práticas.

Há um novo chavão de ‘tratamento holístico das pessoas’ das empresas. Todos concordam que o ser humano é feito de mente, corpo material e espírito ou alma! Por isso, é impossível tratar empregados de forma holística sem considerar o que lhes vai a alma. Não se pode afirmar ter uma política de inclusão e diversidade se não se respeitam uma diversidade de visões do mundo e tradições na fé”, explica Miller.

O grande futurista e guru da gestão Alvin Toffler fala desta tendência no seu ultimo livro, Riqueza Revolucionária (Knopf, 2006). Numa entrevista recente à Strategy & Business falava dum revivalismo de todas as religiões. “Atribuo isso ao grau elevado de incerteza em que vivemos. O pessimismo também é afectado pelo envelhecimento da população, porque quanto mais velha a população, mais pessoas estão, digamos, na recta final. Preocupam-se com a sua mortalidade”, dizia.

A verdade é que a espiritualidade serve três grandes funções na sociedade, segundo Toffler. Oferece às pessoas uma visão sistémica do mundo. Dá-lhes uma comunidade, pessoas que partilham os mesmos valores, e dá às pessoas uma estrutura num ambiente não estruturado, em que as coisas estão caóticas. “Este é um enfoque na funcionalidade da espiritualidade na sociedade, mas há mais do que isso. São as crenças que conduzem as pessoas para diferentes estilos de vida, não com a expectativa de benefícios materiais, mas porque acreditam que devem fazê-lo”, salienta Miller. Talvez por isso empresas como a Tyson Foods, American Express, Citibank, IBM, Coca-Cola e muitas outras estejam a debruçar-se sobre o assunto.

Os benefícios são muitos, incluindo a atracção e retenção de pessoas de topo, melhores culturas empresariais e aumento dos recursos devido a uma consciência ética. As empresas não devem ditar o que as pessoas fazem na sua vida privada – são as pessoas que o fazem. Se alguém quiser manter esses mundos separados, que o faça, não a empresa. A verdade é que a maioria quer uma vida integrada, e julga problemático e por vezes impraticável viver uma vida dupla, em que a vida profissional e a vida pessoal estão desconectadas.

Uma empresa com gestão holística dos recursos humanos melhora a sua cultura, a tolerância e respeito nas fileiras. Funções diárias de rotina adquirem mais significado. E há um acesso a recursos éticos frescos. Isto porque as pessoas querem ser quem são 100% do tempo.

É importante não esquecer que por detrás de grandes líderes de empresas estão hoje consultores e gurus espirituais. As portas estão abertas, mas cépticos questionam as motivações de empresas nesta abertura espiritual. Será que a alma da empresa está a emergir e a substituir o “gestor minuto” e “nadando com os tubarões” no local de trabalho? As pressões são muitas, a lealdade dos empregados é pouca. A força de trabalho tem de fazer muito com poucos meios, vive dias de 12 horas com overdose de informação. Introduzir valores de espiritualidade e auto-desenvolvimento parece ser um contra-peso ideal.

E a verdade é que caminhamos para índices como o de Felicidade Nacional Bruta para substituir o PIB como barómetro do bem-estar das nações. O PIB não contabiliza aspectos sociais negativos num país (prisões) ou serviços de equilíbrio familiar (pais que tomam conta dos filhos). Não contempla o número de obesos, o uso de anti-depressivos e outros factores de infelicidade ausentes dos números. O que não pode ser avaliado não é gerido, e a proposta de um FNB, defendida por vários consultores internacionais, traria essas realidades para a luz do dia. As empresas fazem parte de um sistema interligado, quer o saibam, quer não.

 

Não trabalhe onde não viveria

 

Como diz um dos gurus entrevistados neste livro, Wilbert Alix, “o ideal é não trabalhar onde não viveríamos; ter um trabalho que poderia ser o programa de férias de outra pessoa, e ter um trabalho que, no limite, poderíamos fazer de graça – se não nos pagassem, fá-lo-íamos por gosto”. São esses os critérios das técnicas de meditação para empresas.

Um punhado de inovadores, consultores, empreendedores idealistas e presidentes de empresa apaixonados estão a tentar mudar a gestão dos negócios. Os MBA que saem hoje das melhores universidades também escolhem cada vez mais a imersão em mundos alternativos versus multinacionais tradicionais, envolvendo-se em projectos sem fins lucrativos.

A Microsoft trava hoje uma batalha pelo mercado com a Linux, sistema operativo aberto mantido por uma tropa global de programadores voluntários. Na indústria do entretenimento, o site de partilha de ficheiros musicais Napster foi bloqueado com sucesso, mas surgiram dúzias de clones no seu lugar, com novos sites que permitem downloads de filmes. Novas indústrias e instituições enfrentam ondas de novos consumidores, que produzem e consomem produtos e serviços fora da economia monetária. Esta é uma mudança histórica na forma como a riqueza é criada.

A par deste fenómeno, temos uma dessincronização das instituições da sociedade. Financeiros inventam novos derivativos mais rápido do que os governos inventam novos regulamentos; professores de escola com livros de estudo antiquados lutam para manter-se interessantes para alunos que podem aceder ao Google do seu telemóvel.

Na Internet, a dimensão humana está a ganhar novos contornos. No ambiente tridimensional do Second Life, o foco voltou a recair sobre o ser humano, nas suas inter-relações sociais, na forma como se movimenta em ambientes e espaços e estabelece parcerias, acordos, contactos, e amizades. Quando uma empresa coloca uma presença virtual no ambiente do Second Life, está efectivamente a humanizá-la de uma forma que não era possível na Web. O que vai naturalmente obrigar todo o mundo económico a repensar a sua estratégia de proximidade com os seus clientes.  Em vez de colocar uma "barreira de informação" — representada por um site Web de complexidade crescente ao longo dos anos — vai colocar pessoas. Pessoas a dialogar com pessoas, a estabelecer contactos, a explicar aquilo que uma página Web, por mais dados que tenha, não consegue. A Web representa o apogeu de um manancial de dados — que necessitam de seres humanos para os converter em informação. Ambientes como o Second Life, por apostarem fortemente na interacção social personalizada, vão colocar o foco nessa informação, processada por seres humanos a partir dos dados disponíveis na Web.

Estamos no limiar de uma transformação importante. A médio prazo, navegaremos na Web num espaço tridimensional — e partilharemos a navegação com colegas, professores, amigos, empregados e funcionários. O acto de "navegar na Web" à procura de informação deixará de ser solitário. Tudo isto vai certamente transformar gradualmente a forma como encaramos o acesso (remoto) ao mundo económico. Na verdade, o que se passará é que esse "acesso remoto" será bastante mais semelhante ao que se passa hoje em dia quando nos deslocamos a uma loja para adquirir um produto, ou a um edifício de escritórios para ter uma reunião. Os espaços e as interacções são os mesmos; a única diferença é não estarmos restritos à proximidade geográfica.
As noções de "distância geográfica" perderam completamente o sentido.  A nossa rede social privada vai ser adequada aos nossos interesses comuns com seres humanos em todo o mundo, e não terá limites nem barreiras geográficas. O próprio conceito de "globalização" vai deixar de fazer sentido.

As redes sociais são a maior aposta da sociedade em rede, uma vez que se centram na necessidade mais básica do ser humano: comunicar. Não existe a "necessidade de uma vida alternativa". Existe sim a necessidade de comunicar e de nos conhecermos a nós próprios. A maior vantagem reside precisamente nessa reflexão que permite um melhor auto-conhecimento. Assim, o CEO terá de se aproximar mais de Budha e adoptar uma postura mais espiritual, que lhe permita abarcar o máximo de perspectivas possíveis e posicionar-se no clã dos sobreviventes às grandes transformações que se fazem sentir no planeta.

A espiritualidade, reduzida à sua essência mais fundamental, significa apenas uma mudança de ponto de vista, uma consciência dos processos, como observador, sem um apego a qualquer um dos processos observados. Budha CEO passa em revista uma série de técnicas modernas, hoje em voga, para promover empresas mais meditativas e novas perspectivas. Na primeira parte, Um Budha nas Ciências, teremos uma incursão às ciências, das económicas à neurológicas, para perceber que novas descobertas sobre o cérebro confirmam a necessidade de mudar de paradigma.  Quando perceber a forma de recorrer a uma nova fonte de poder no conhecimento, como a das multidões, empreendedores mais pobres, e tirar partido dos processos cognitivos reais, e não aqueles que imaginamos conduzir às decisões, passará uma nova etapa. Perceberá como chegou e chega à sua realidade, e estará pronta para criá-la de raiz. Na segunda parte, em Um Budha na Espiritualidade Extrema, veremos como passar para uma nova economia, aproveitando práticas mais individuais que resultam em melhores resultados colectivos. Nesta fase, serão a empresa e o gestor a criar a sua própria realidade, pelo pensamento.

 

 

 

Géraldine Correia

Jornalista de Economia e Escritora

15 de Outubro de 2007